Medicine to work better…

“Being serious is not a sign of competence. It’s just a sign that it is serious ”
Pedro Tochas

Communicative by excellence, irreverent, stimulating, professional, detailed, challenging and full of humour, this is the way the speaker Pedro Tochas is known.

Which company can succeed without real motivation?

This is the purpose of the humorist Pedro Tochas that besides the stand-up shows started giving workshops to motivate employees using a mix of humour and management.

In the business circuit he is known by the success of his motivational speeches, characterized by encouraging people to develop leadership skills, reinforcing creativity and innovation, increasing self-confidence and decrease anxiety, developing new ways of facing communication problems and overtaking prejudices and seeing the world in a different way, “thinking outside the box”.

His dream was to be a business manager, but his ability to improvise made him follow the world of humour. Through humour he tries to pass on the idea that is very important to think differently, communicate, laugh, and most important not to be afraid of taking chances showing us how we can always follow our dreams.

In my opinion, the only way to feel happy and fulfilled in our work is to have a good relationship with all the colleagues from all the departments. Creating a good environment, in a good mood and joy, where we can do our job with more enthusiasm and higher performance.

Without motivated people it’s not possible to achieve the goals and employers believe that laughing is the best medicine to productivity.

The humour finds, this way, followers in business organizations.

From the moment that activity of the humorist started to be reported by the media, they became to be more requested. Here is the power of social media scheduling.

See article.

Carla Sofia Ribeiro

Advertisements

Outplacement

Devido à crise financeira que o nosso país está a atravessar, o número de desempregados aumenta a cada dia que passa originando uma corrida à procura de emprego. Por este motivo, este é um tema recorrente nos artigos e reportagens dos meios de comunicação social. Na verdade, os média têm esse poder de agendar os assuntos sobre os quais falamos. A este processo chama-se agenda-setting.

Hoje existe uma nova esperança para os desempregados com idade superior a 40 anos de idade, que é o outplacement.
O outplacement baseia-se em dar apoio especializado a esses desempregados até que estes sejam novamente inseridos no mercado de trabalho.

O outplacement vai ajudar a construir e a reformular o seu curriculum, a sua carta de apresentação, ensinar como comportar-se numa entrevista, etc., mantendo assim o candidato ativo e motivado na procura de emprego.

Estes também vão ajudar os candidatos a desenvolverem uma rede de contatos profissional, ou seja o networking, que é uma das principais portas de entrada no mercado de trabalho.

O outplacement é feito em duas modalidades: outplacement individual, para quadros superiores, “middle management” e técnicos especializados; e outplacement coletivo, adaptado a mão-de-obra fabril, direta e indireta.

Ler o artigo expresso emprego
Ler artigo dinheiro vivo

carla sofia ribeiro

Communication in the workplace

“Improving communication is a necessary skill for all of them who want to achieve better results in business and in their professional and personal relationships.”

by Hamilton T. Mitsumune

According to Mr. Hamilton T. Mitsumune, the capacity to communicate at any time on any subject is an essential skill for anyone who wants to be successful professionally.

For a professional who aims at developing his/her career or starting to work for a certain company, it is much easier if he knows how to create and maintain a good communication, be decisive, concise, clear and interesting. Like this, he won’t  be easily forgotten and he won’t pass unnoticed in the eyes of his superiors or employers, just because they would consider him more capable of handling all kinds of subjects in order to be successful, making it easier to have this competence.

A good communicator should depend only on his know-how, but he also must have a good cultural background to be able to inform and comment on any issue of our daily life.

 Basically, and in my opinion, an expert on communication should be: clear, succinct and objective, interesting and presentable, a knowledgeable  person, a good observer and better listener. So, and if has all these attributes, he/she is halfway through a successful career. The other half he will get from the daily learning and the experiences throughout his/her life.

However, there are some relevant questions:

How can we learn to improve communication skills? By observing other professionals; doing media training; observing behaviour at conferences, TV shows?

Carla Dias

Luís Rasquilha – um excelente comunicador

LUS-RA~1

ISVOUGA MARKETING SESSIONS é uma série de palestras organizadas pelo Curso de Marketing, Publicidade e Relações Públicas, do ISVOUGA. Estas sessões proporcionam o debate sobre os grandes temas que dominam a comunicação atual, os organizadores trazem convidados que fazem parte do mundo do Marketing, para falar aos alunos e docentes da comunidade Isvouga dos mais variados assuntos relacionados com as temáticas abordadas nesta licenciatura. Luís Rasquilha foi o orador da 9ª edição, que decorreu a 12 de abril, e onde o autor de diversos livros na área da comunicação abordou tendências sobre o futuro do marketing.

Luís Rasquilha é o vice-presidente de uma empresa de consultoria de tendências e inovação a nível mundial. Com formação superior em Empreendedorismo e Gestão da Inovação, Gestão de Empresas, Marketing e Comunicação. Ele e a sua empresa atua na monitorização e identificação de tendências, desenvolvendo processos de inovação

Luís Rasquilha é convidado para diversas conferências no âmbito do seu currículo nas mais diversas instituições de ensino e empresas de formação.

Este orador tem um estilo diferente daquele a que já assisti em outros encontros.

Apresentou-se com um look casual, nos pés trazia uns ténis, um pormenor sobre o qual fez questão de frisar que é o único tipo de calçado que usa, onde a única coisa que varia é a cor e o modelo. As sapatilhas contrastavam com o blazer cinzento e um polo vermelho. Com um ar casual brincou com muitos aspetos, como por exemplo o fato de não precisar de microfone, pois a sua voz chegaria bem ao fundo da sala.

Luis Rasquilha começou por se apresentar, confidenciando alguns aspetos pessoais como o facto de ter duas sobrinhas (em vários pontos da palestra ele faz referência a elas), viver em S. Paulo (onde refere várias vezes o tipo de vida quotidiana de lá e que adora lá viver) e fez uma breve apresentação da sua formação, isto sempre nos deliciando com um ar de espontaneidade e diversão.

Em termos de linguagem verbal, na apresentação Rasquilha fala da existência de 5 tendências em relação consumo:

  • Nómades urbanos: que são as pessoas que não precisam de sair de casa para ir para o trabalho, que em qualquer lugar se pode criar o posto de trabalho, sem precisar de ir à empresa, isto devido aos dispositivos que temos ao nosso dispor, como portáteis, smatphones, tablets, etc;
  • Conectividade permanente: todos nós sentimos necessidade de estar online permanentemente, toda a informação à distância de um clique, como redes sociais, sms, vídeo chamadas, etc.;
  • Eco sustentável: todas as empresas devem pensar nas oportunidades de negócio que pode existir nos produtos sustentáveis;
  • O poder do consumidor: negócio de “gestão de sorrisos”, as empresas têm que tentar chegar a todos os consumidores, tentando satisfazer todas as suas necessidades;
  • Economia da experiência: criando provas, sensações com base em experiencias para os consumidores, como o spa de cobras (uma experiencia), comprar flores numa loja Armani é diferente de comprar flores numa florista qualquer, o gelado com a forma do Daniel Craig, ele destaca este aspeto, pois o futuro do consumo passa pela experiencia com determinados produtos, e que os produtos tem que ser associados a um “story teeling”

Por último, finalizou a sua apresentação dizendo que o trabalho de todos nós é a gestão de sorrisos, pois o nosso objetivo deve ser fazer os consumidores felizes.

Luís Rasquilha “fala com as mãos”, acompanha todo o seu discurso com gestos que nos ajudam a perceber melhor os seus exemplos, não está parado num só lugar, eu tenho a certeza que se ele não tapasse a apresentação em power point, ele andaria sempre de um lado para o outro, isto indica-nos o seu à vontade na ligação que faz com o público.

Tem um tom de voz bastante harmonioso, que nos faz estar ligados ao seu discurso.

Este orador como sabe na perfeição que truques usar para cativar uma plateia, conseguiu que o auditório se rendesse à sua apresentação, interagindo com ele e colocando todo o tipo de questões que dissessem respeito às tendências, principalmente qual o papel dos Marketeers neste processo.

Carla Dias

Comunicação verbal e não-verbal

A comunicação é um processo inerente ao ser humano. É através dela que todos os indivíduos interagem entre si.

O processo de comunicação realiza-se por vários meios, através da fala, da escrita e da expressão corporal. É através destes meios de comunicação que os indivíduos interagem.

É através dos gestos e do olhar que o emissor dá maior ou menor ênfase ao que o recetor afirma, a postura física e a proximidade do emissor dizem ao recetor como é que devem entender o significado das palavras pronunciadas. As mensagens transmitidas através dos gestos e do olhar, dizem quando é que o emissor passa a palavra e o recetor entende quando é que deve continuar o discurso.

Sempre que comunicamos, fazemos a diferentes níveis, uma palavra falada transmite uma determinada mensagem, mas depois temos o tom de voz, os gestos, a postura corporal e o olhar que podem transmitir uma mensagem diferente à que se emitiu verbalmente.

Por exemplo, se alguém está a fazer um comunicado em que esteja a dizer algo de positivo, mas as suas expressões mostram o contrário, o recetor irá ficar na dúvida em relação há mensagem que está a ser transmitida.

Para que o processo de comunicação ocorra de uma forma perfeita é necessário uma ligação coerente entre os vários tipos de comunicação.

Na comunicação não-verbal, o olhar e os gestos de um individuo vão dar uma maior ou menor enfase ao que está a afirmar. A sua postura física e a proximidade ao seu ouvinte dizem como devem entender o significado das palavras. Quando as mensagens transmitidas através de gestos e do olhar, dizem quando é que o um individuo passa a palavra a outro e este entende quando deve continuar o discurso.

No processo da comunicação é necessário ter em conta não só os significados que atribuímos a realidade, gestos, palavras e expressões, mas também às possíveis significações que as outras pessoas com quem comunicamos lhe possam atribuir. Isto porque somos confrontados com uma grande diversidade de estímulos que aprendemos a selecionar e a organizar de modo a tornar compreensível o seu significado.

Esta organização é feita segundo as características individuais que estão relacionadas com as diferentes dimensões de história da vida, vivencias e experiencias de cada um.

Nem todas as pessoas selecionam os mesmos estímulos, os organizam do mesmo modo e lhes dão o mesmo significado, pois cada um tem uma experiencia de vida diferente. O universo das significações é variável e diversificado.

Quando chega mensagem a uma redação deve-se ter em conta como se passa a mensagem para quem estar a recebê-la a considere importante e faça noticia. Na comunicação social existe gatekeeper, ou seja, a pessoa que seleciona os assunto que vão ser noticia. Um dos exemplos de um gatekeeper pode ser uma secretária de redação onde esta faz a pré-seleção das informações recebidas e distribui pelos vários editoriais. E todas as formas de comunicação vão influenciar ou não a publicação dessa informação.

Ao comunicarmos, transmitimos a nossa forma de estar no mundo e quando estamos a transmitir uma mensagem para os meios de comunicação social estes regem-se por normas organizacionais e critérios que permitem a seleção de assuntos, isto é, se uma mensagem não for transmitida de forma correta, pode gerar ambiguidade e, portanto, a informação não é selecionada.

Carla Sofia Ribeiro

Dealing with complaints

In all situations of interpersonal relationship there is the possibility of conflict and complaints arise due to the fact we all have different personalities and opinions.
It is important to listen, to be open-minded to new opinions and then to collect all the contributions that this process of exchange of information can have, to solve a problem or decision.
One complaint is the opposition of forces with similar intensity and arises when subjects are incompatible. When we have to deal with a claim meaning a conflict of ideas, it is necessary to diagnose its nature and then we can engage in confrontation. We must learn to listen to each other and thereafter we will know how to solve it.
People who work in a customer service should know how to deal with all kinds of claims. Your attitude, when you interact with an unhappy customer will determine the way that the client will follow. Dealing with unhappy customers has benefits for both sides and requires a little practice.
The first step we should take when we receive a complaint from customer is to hear it with all the attention and interest, without contradicting him/her nor trying to hint the client is wrong. We must understand him/her. We should avoid interrupting while the client reports their problem, because if we do this we will create conflict.
After listening to the customer we must apologize, because even if we disagree with whole situation, we are representing a company and we can’t let it look bad. Then we must present a solution to show the interest and respect that our company has for the client.
At presenting the solution to the client we must do it in an assertive way. This way we are defending our rights, interests and expressing our feelings, thoughts and needs in a more open way, honest and direct. They will respect our differences, avoid value judgments and solve complains in a resolution way establishing a good trust relation with the customer.

Carla sofia ribeiro

Nonverbal Communication

According to Albert Mehrabian’s:

• 7% of message pertaining to feelings and attitudes is in the words that are spoken.

• 38% of message pertaining to feelings and attitudes is paralinguistic (the way the words are said that).

• 55% of message pertaining to feelings and attitudes is in facial expression.

In my opinion, non-verbal communication is also very important for the communicative process. If the person who wants to pass a message maintains a rigid position during the communicative process, it looks like he’s not comfortable with the ideas he/she is trying to convey and, this gives me an impression of no transparency in their opinions. However if he/she speaks well, loud and clear, sure of himself/herself, with elegance and authenticity and using  good body language (gestures) to express their ideas, obviously I will be more confidence about the message.

If we talk about politicians, nonverbal language is always important because they are constantly under the spotlight of the media. For me, Angela Merkel is an example of a politician who does not have consistency in her messages, which does not trigger any kind of transparency. She  always has an inflexible discourse and what she says is not always true. She has a serious, rigid and expressionless figure, which for me represents a bad example of a politician.

The study made by Albert Mehrabian’s makes all sense if we analyse the posture and attitude that politicians, speakers, presenters, etc., adopt during their presentations. A good example of how to communicate is Paulo de Vilhena’s posture, who made a presentation at the 7th edition of ISVOUGA Marketing Sessions because, besides talking, he also represents and illustrates all his ideas.

However we cannot adopt this case study as a model of communication because, as any kind of model,  this one also has LIMITATIONS.

Carla Dias